sábado, 9 de fevereiro de 2008

Nem tudo é a sério...

Ando em tempo de recolhimento e meditação.

Tenho escrito o que nunca tive a coragem de disser. Como abençoada consequência, alguns comentários de companheiros de blogs têm-me feito pensar (Sempre compensa dizer a verdade…)

Assim, coisas sérias, momentaneamente está difícil de escrever. Estou a trabalhar para arrumar melhor esta cabecita. Mas, neste país sempre existe matéria para assuntos pseudo humorísticos.


No jornal “Público”, dia 1.02.2008, no suplemento P2 vinha o artigo: “Regicídio Crime ou castigo” sobre o atentado que há 100 anos vitimou o Rei D.Carlos. A certa altura foi facultada a seguinte informação:

“Já a autarquia alentejana de Castro Verde, de onde era natural Alfredo Costa, homenageará esta tarde o regicida com o descerrar de uma lápide. E a comissão instaladora da Associação Promotora do Livre Pensamento pretende promover uma cerimónia no cemitério lisboeta do Alto de S. João, que incluirá a deposição de uma coroa de flores no local onde repousam as ossadas dos regicidas.”

A minha imaginação voou.

Logo imaginei o tremendo orgulho que os habitantes de Castro Verde têm por um seu conterrâneo ser um assassino de dois homens que, por acaso, eram pessoas da realeza. Sim, por que alguém que têm coragem de silenciar os seus oponentes, é bom. Então se lhe espetar umas balas na cabeça, é um herói.

Tive acesso ao discurso (inventado por mim) com que se inaugurou esta lápide e passo a citar:

“Prezados castroverdenses, nesta altura temos o prazer de recordar aqueles que com sangue (dos outros, é verdade, mas também conta) escreveram páginas gloriosas do nosso povo. A visão que tiveram foi fantástica. Estavam adiantados em relação ao seu tempo. Sim, porque isso do Bin Laden organizar assassinatos espectaculares dos seus opositores políticos e religiosos ou simples civis não é original. Começou aqui, pela cabecinha do nosso concidadão Alfredo Costa. Também, isso de os homens-bomba matarem montes de pessoas no Iraque, em Israel ou seja lá onde, já foi uma visão do nosso correligionário. Este homem que trabalhava atrás dum balcão, conseguiu surpreender e ultrapassar a elite intelectual da época com a sua estratégia. O seu lema foi: “Se não podes com eles, mata-os”. Saberia ele que a sua filosofia de combate político iria fazer escola no futuro? Onde ele estiver, estará concerteza orgulhoso daqueles que continuam a seguir a sua técnica. (Não sei é o que aconteceu quando se encontrou no céu com o D.Carlos. Como é que eliminou-o de lá?).

Assim, castroverdenses, em homenagem a este ilustre filho da terra, existirá á vossa disposição um arsenal de armas, pedras e fisgas para que, quando se sentirem incomodados com a oposição desta Câmara Municipal façam sentir a vossa argumentação. Claro, que para comigo, esse tipo de argumento não funciona”

Segundo parece também o governo vai fazer um levantamento em todos os estabelecimentos prisionais para enviar ás freguesias de todos os reclusos, placas que afixem nas casas onde nasceram. Afinal, não vai ser necessário esperar 100 anos para homenagear quem tenha cometido um crime. Medidas do Simplex…

Ah! Em relação á outra iniciativa mencionada no jornal, a Associação Promotora do Livre Pensamento vai aproveitar a cerimónia no cemitério do Alto de S.João para anunciar publicamente que mudará de nome. Passará a ser Associação Promotora do Livre Pensamento Para Todos Menos Para Os Reis Porque Se Pensam Muito Levam Com Uma Bala Nos Cornos.

2 comentários:

pinguim disse...

Amigo
embora republicano convicto, nunca deixarei de condenar o regicidio, e como tal, quaisquer manifestações de apreço por um assassinato serão sempre por mim, completamente tidas como absurdas.
Abraço.

socrates dasilva disse...

amigo pinguim
ás vezes tenho que rir dos disparates que se vê, para não ter de chorar.
abraço