quarta-feira, 13 de fevereiro de 2008

Ubuntu / Pinguim


Ando entretido em assuntos “técnico-informáticos”. Instalei o Linux no meu computador, nomeadamente o sistema operativo Ubuntu. Ando revoltado contra as ditaduras das maiorias. Em muita coisa. Também na informática. (Windows, Windows, Windows… caro como o caneco, e porque não experimentar outras opções?)

Assim, decidi aceitar o conselho de instalar os dois sistemas simultaneamente para explorar o Linux sem correr riscos de paralisar o meu ritmo e o meu trabalho no PC, que por enquanto, ainda está controlado pela ditadura da maioria. (curiosas as metáforas da vida…)

Bem, mas sendo curioso como um gato pensei: “Ubuntu? Que raio de nome é este?”, e vai dai, toca a escarafunchar. Descobri que o nome Ubuntu é um conceito tradicional africano cuja tradução mais ou menos livre poderia ser: ”crença numa ligação universal de partilha que conecta toda a humanidade”.

Até vem na ajuda do sistema operativo uma citação interessante do Arcebispo Desmond Tutu: “Uma pessoa com ubuntu é aberta e disponível para os outros, apoia os outros, não se sente ameaçada quando os outros são bons e capazes, porque ele ou ela tem uma confiança própria que advém de saber que ele ou ela pertence a um todo que é diminuído quando os outros são humilhados ou diminuídos, quando os outros são torturados ou oprimidos.”

Nisto, que uma coisa leva a outra, deparei-me com o símbolo simpático do Linux. O que é? O que é? Um pinguim. Assim que lembrei-me do nosso companheiro de blogue com o mesmo nome de guerra. Vai dai, decidi dedicar-le também umas palavritas.

É justo eu dizer, sem desprimor para outros, que é um escritor marcante na minha blogosfera. Foi dos primeiros a comentar um post meu, dando-me ânimo em virtude dos desafios que o início pode trazer a quem não está habituado a este mundo singular. Regularmente, deixa-me singelas, mas significativas observações. (Que eu levo muito a sério)

E com a preocupação que manifesta por tantos de nossos companheiros, imagino o tempo que abnegadamente despende para se ocupa de escrever, ler, pensar, comentar e ainda dar uma atenção pessoal a quem lhe deixa mensagens no blogue. “Pinguim, quando for grande quero ser como tu…”

O seu blogue para mim foi, e é, uma lição. Uma lição de como um homem pode amar outro homem com dignidade e sentimentos nobres. (Venho de um mundo onde isso é digno de se ir para o circo, senão para o manicómio…)

Uma lição de como contar histórias interessantes, de informar sobre a actualidade, de ter humor e sobretudo de demonstrar uma imensa fé. Fé em que se pode viver sem que a ditadura das maiorias nos castrem. Fé em que todos estamos ligados uns aos outros, seja qual for as nossas opções de vida. Fé de que, ou todos estamos bem, ou todos somos humilhados e diminuídos.

Pinguim, tenho pouco tempo aqui, mas isto é sincero. Como vês tinha várias razões para me lembrar de ti, além do bonequinho do Linux.

6 comentários:

Oz disse...

Ui, O Pinguim vai ficar todo derretido quando ler isto! Mas tens toda a razão, se há alguém na blogosfera que dedica tempo aos outros e não se fica pelas meras visitas da praxe, esse alguém é o Pinguim. Merecido.
Abraço.

rato do campo disse...

Compreendo tudo o que ne dizes na segunda parte do teu post, acredita. Abraço!

Paulo disse...

Passando do Linux para o Pinguim, acho que ele merece muito as tuas palavras. E concordo em tudo. Um altruísta bom e de coração grande.

pinguim disse...

Olha, amigo, cheguei...
Não vou dizer que não sentisse "a minha penugem" a estremecer ao ler o teu post, que começou bastante por me interessar no seu aspecto informático, cuirioso que sou e auto-didacta nestas matérias.
Só depois vi que "vinhas na minha direcção"...
Não te conheço, não imagino como sejas, nem sequer sei a tua idade, embora depreenda que és jovem; recordo que comentei o teu orimeiro post, talvez o segundo, e depois o teu blog, não sei porquê "eclipsou-se"; quando comecei a receber comentários teus no meu blog, descobri que o Sócrates da Silva eras tu, do blog "Castelo d'areia" e fiquei muito satisfeito pelo reencontro, acredita.
tenho para mim, que aqui, na blogosfera se fazem grandes Amizades, e que a sua passagem do virtual ao real, é uma questão de tempo; já conheci algumas pessoas e tirando duas grandes decepções (melhor, uma que arrastou outra) só tenho tido a confirmação de que aquelas pessoas que conhecia só daqui eram exactamente como eu imaginava, e não falo minimamente no aspecto físico, pois aí não imagino nada (já tenho o meu imaginário totalmente e muito bem preenchido).
Gosto muito disto e sou de uma franqueza extrema no que digo e por isso quando vejo alguém com "problemas" gosto de ser bombeiro, mormente quando se trata de situações conhecidas, como foi e é o teu caso; a partilha também é isso, aqui com alguns pózinhos de Amizade.
Tudo o que por vezes nos aflige, eu não sou excepcão e tanta coisa me preocupa, acredita, é minorado com palavras como aquelas que me dedicaste, e não esqueço os amáveis comentários que aqui deixaram Amigos comuns.
Tu, quando quiseres, não precisas de utilizar a caixa de comentários, pois no meu blog está lá o endereço do meu mail, escreve, fala, desabava e se fõr caso disso, aparece; afinal é para isso que servem os Amigos...
Grande abraço e um sincero obrigado pelo teu post.

socrates dasilva disse...

oz, rato do campo, paulo,
gostei de saber que compartilham o apreço que tenho pelo que estou a aprender a gostar aqui
abraço x3

pinguim,
considero uma honra aceitar um dia o teu convite. Lá chegaremos. Mas, não tens nada que agradecer. "Cada um tem o que mereçe..."
abraço

Anónimo disse...

Obrigado por Blog intiresny