terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

Porque hoje apeteceu-me escutar esta música aos berros

8 comentários:

No Limite do Oceano disse...

Eu tenho o hábito de ouvir a música muito alta, ao menos assim o ruído do silêncio não faz das suas. Boa escolha, tenho os meus dias em que os Linkin Park podem ser uma solução.

Hoje não ouvi nenhuma música ao berros...agora recapitulando...ouvi Adele, The Killers, e neste momento mais uma dose de "Winter Song" da Sara Bareilles e Indrig Michaelson.

Se fosse ouvir estas músicas aos berros, numa das situações tinha sido posto fora do meu local de trabalho.

*Hugs n' smiles*
Carlos

Maryposa disse...

linkin park é muito bom pa desanuviar.
em desaires amorosos prefiro a "in the end" ;)

bjs

Violeta disse...

costuma-me dar com o Concerto de Aranguez...
bjs

GRITOMUDO disse...

devo confessar que Linkin Park, não me desviava a atenção de um bom chocolate preto.
um dia o rebento disse:
- olha vou ao rockinrio ver Linkin.
eu fui à net assistir ao concerto.
não é que o concerto me prendeu de inicio ao fim?
como me custa entregar as armas, e me custa admitir a sonoridade de LP, tal leva-me à observação exaustiva do trabalho da banda de Agoura Hills, Califórnia.
quanto mais escuto e observo, mais dependente fico.
sim... o chocolate ainda me tenta...

GRITOMUDO

Daniel Cândido da Silva disse...

Há músicas catárticas, sobretudo se forem ouvidas aos berros... ou apenas nuns phones para se interiorizar melhor...

E cantá-las também... A tensãop desvanece-se. Também gosto de Linkin Park, mas apetece-me mais agora Seal, Yves LAROCK...

Daniel Cândido da Silva disse...

Há músicas catárticas, sobretudo se forem ouvidas aos berros... ou apenas nuns phones para se interiorizar melhor...

E cantá-las também... A tensãop desvanece-se. Também gosto de Linkin Park, mas apetece-me mais agora Seal, Yves LAROCK...

Daniel Cândido da Silva disse...

And, please, you gotta be yourself. Count on me, will you? Got my e.-mail.

That special hug ;)

Socrates daSilva disse...

Carlos,
Normalmente gosto de ouvir a música alta em duas situações: quando vou sozinho a conduzir e quando levo o MP3 nas minhas caminhadas (mas não abuso para não ficar surdinho).
Boas escolhas musicais as tuas. Abraço!


Maryposa,
Obrigado pela visita e comentário. Para mim os LP devem ser o resquício de uma adolescência que ficou com questões por resolver.
:-)

Por isso é mais“Memories consume / Like opening the wounds”...
aproveitando a música deste post.

Bjs


Violeta,
Lindo, soberbo, excepcional…

Bjs


Gritomudo,
Achei graça á forma como descobristes os LP, pois foi um pouco similar à minha. Certa vez quis armar-me em crítico destas “músicas foleiras” que os miúdos escutam e um deles, mais ousado, um dia ofereceu-me um CD gravado com algumas dessas músicas em MP3. Cusco como sou, toca a ouvi-lo. Uma balada dos LP prendeu-me de imediato; continuei a escutar as outras e a ser surpreendido pelas letras que as sentia familiares. Pesquisei e… é verdade… entranhou-se!
Hoje junto o chocolate ao desfrutar dos LP – não consigo escolher entre os dois!

Abraço!


Daniel,

É mesmo esse o efeito!
Boas escolhas as tuas; especialmente o Seal…

(And… thanks a lot!)

Abraço!