quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Escrever


Escreve para ser amado?
Escrever é uma forma de ser amado?

Pode ser entendido assim. O Gabriel García Márquez dizia que escrevia para que gostassem dele. É possível. É mais exacto dizer que a gente escreve porque não quer morrer. Ser amado pelo outro não está na nossa mão; podemos escrever para que isso aconteça, e depois acontecerá ou não. Já que temos que morrer, que alguma coisa fique. Não é imortalidade - isso seria um disparate; é um reconhecimento por algum tempo mais.

José Saramago

(in Jornal Público, Suplemento Ípsilon, 07.11.2008)


7 comentários:

pinguim disse...

Os comentários de Saramago...
Um abraço.

Fernando disse...

Eu sou ao contrário.
Há alturas que não me apetece escrever, de tanto o fazer nas coisas oficiais...
Mas como escrevo, lá ficarão os tais registos como forma de me perpetuar no tempo...

Fernando disse...

Enfim!
Desabafos...

Tongzhi disse...

Eu acho que escrever pode ter diversos significados, conforme a pessoa que escreve. Muitas vezes escrevo, como forma de me estruturar.

Socrates daSilva disse...

Pinguim,
Nesta entrevista ele surpreendeu-me em alguns assuntos…
Abraço!


Fernando,
Os desabafos são bons, não são? Olha que uma das coisas que me maravilha aqui na blogosfera é isso mesmo. Poder desabafar.
Mas, é verdade que, seja porque motivo for, por vezes, escrever cansa.
Abraço!


Tongzhi,
Sim, concordo. Apenas gostei desta frase do Saramago, porque destaca uma faceta sentida da escrita. Eu acrescentaria que por vezes eu escrevo para me compreender. Quantas vezes leio o que escrevi por impulso e, então, entendo-me melhor. (Coisas malucas…)
Abraço!

Vasco Matos disse...

O Saramago, brilhante, como sempre! Abraço!

Socrates daSilva disse...

Vasco,
Confesso que estou a aprender a gostar de Saramago!
Abraço!