quinta-feira, 26 de junho de 2008

...

“– Quando renunciamos aos nossos sonhos e encontramos a paz – disse ele depois de um tempo – temos um pequeno período de tranquilidade. Mas os sonhos mortos começam a apodrecer dentro de nós, e infestar todo o ambiente em que vivemos. Começamos a nos tornar cruéis com aqueles que nos cercam, e finalmente passamos a dirigir esta crueldade contra nós mesmos. Surgem as doenças e as psicoses. O que queríamos evitar no combate – a decepção e a derrota – passa a ser o único legado de nossa covardia. E um belo dia, os sonhos mortos e apodrecidos tornam o ar difícil de respirar e passamos a desejar a morte, a morte que nos livrasse de nossas certezas, de nossas ocupações, e daquela terrível paz das tardes de domingo.”


(em O diário de um Mago, Paulo Coelho)


10 comentários:

The Unfurry Swear Bear disse...

só li o Alquimista, mas esse também parece muito interessante.
Em relação aos sonhos, tenho o mau defeito de alcançar os meus, mas também não posso dizer que sonhe muito alto :D

pinguim disse...

Estás a bater em ti próprio ao transcrever estes textos que não te ajudam, apenas contribuem para ficares mais angustiado, acredita-me...
Pensa na vida, Amigo.
Ontem à noite, na minha tarefa diária, fui a casa de um cliente, casal jovem, cerca de 30 anos cada, com uma filhota de 4/5 anos; estranhando o ar da senhora, inquiri-a se estava tudo bem, ao que ela me respondeu, que não; o marido está internado há 3 dias com um tumor no cérebro!!!
Fiquei preplexo e sem palavras...
Foi como um murro bem em cgeio no estômago; cheguei a casa acabrunhado e triste.
Porque te conto isto, aqui e agora?
Não sei, talvez tu saibas...
Parafraseando o Sp, no comentário do post anterior: "gosto muito de ti..."
Enorme abraço.

Socrates daSilva disse...

Unfurry,
Não li o livro, mas esta citação tem feito muito sentido para mim.
Abraço

Pinguim,
Eu sei que existem pessoas com problemas enormes sem uma solução. Casos tremendamente injustos e crueis, como esses que contas.
E ando eu aqui...
Obrigado pelas tuas palavras.
Eu também gosto muito de estar aqui, e da tua amizade.
Abraço

Catatau disse...

Além de não suportar o Paulo Coelho (a propósito, "corre" que ele tb pertence ao 1 em 10), acho que este texto aborda a catarse pelo lado medonho.

1. Os sonhos não apodrecem porque estão no melhor ambiente para serem preservados: a nossa alma.

2. Pelo facto de não podermos cumprir parcial ou totalmente os nossos sonhos, não significa que nos tornemos más pessoas, vingativas e suicidas.

3. A renúncia a um sonho também pode ser uma prova de amor e de coragem. Pode ser tudo menos covardia.

4. Desejar a morte é que é covardia. É não tentar resolver - nem que seja paulatinamente, nem que seja só parcialmente - o problema que nos aflige. Podemos não vislumbrar solução possível. Mas podemos (isso garanto-te) encontrar alternativas que possam apaziguar o nosso sofrimento. Não estou a falar de sublimação. Estou a falar de pontos de fuga para outras perspectivas. Sem perder o que se tem e sem enlouquecer pelo que se quer.

Tenho a certeza que me entendes.
E também percebes que estou contigo (não nos separasse um traço de mar, estaria mesmo aí - onde precisas).

Um belo abraço. :)

AVESSOS disse...

adorei o texto ja li quase todos os livros do paulo abracos

Tongzhi disse...

Eu já falei sobre o Paulo Coelho algures por aqui, não me vou repetir.
Quanto a mim penso que no dia em que deixar de sonhar, podem chamar o cangalheiro com um "capote de madeira"!!! Mas quero coisa digna de um imperador!!!!! :P
Estivesses tu "à mão de semear", e eu dava-te uns "cascudos" na cabeça, como dizia o meu pai.
Para finalizar, e correndo o risco de me repetir, lê com todo o cuidado o que escreve o "nosso" analista mais claro - Sr de CATATAU!!!
Abraços, abracinhos e abrações!

Special K disse...

Como diz o Tonghzi, No dia em que deixar morrer os meus sonhos podem-me enterrar junto com eles. mais uma vez vou fazer minhas as sábias palavras do Catatau. E tal como o Pinguim, vou parafrasear o SP: "Gosto muito de ti".
Ok roubei os outros, não fui original mas está aqui a minha opinião.
;)
Um abraço.

Socrates daSilva disse...

Catatau,
Tongzhi,
Special K,
(Acho que não ficam incomodados por responder aos três em conjunto, a fim de não me repetir e, porque vos vejo muito “sintonizados”.)

Concordo plenamente com os quatros pontos com que o Catatau “desmonta” o discurso do Paulo Coelho.
Mas, existe uma explicação para este texto fazer sentido para mim, pelo menos durante certas alturas. Renunciar ou negar parte da minha personalidade causou-me danos. Conquistei uma paz com o que me rodeava á custa desta renúncia; mas fui morrendo por dentro, nas minhas alegrias, nas minhas expectativas, nos meus afectos. Senti crescer gradualmente uma acidez e um rancor com a vida, algumas vezes ferindo a outros sem eles entenderem o porquê. Não tenho vergonha em dizer que desejei ardentemente morrer para fugir deste labirinto. Tinha a “paz das tardes de domingo” a um preço altíssimo.
Algo já mudou em mim, pois agora sei quem sou. Assumo perante mim todos os contornos do meu ser, mas ainda estou com muitos desafios pela frente. As decisões que tomei no passado fazem parte da minha vida. Não posso simplesmente acordar um dia com tudo resolvido. Não posso fazer o que quero sem pensar nos meus princípios e nas pessoas que me rodeiam. Por isso o cheiro a “podre” que ainda sinto. Por isso a atracão por textos tão… deprimentes.
Não estou contente com a minha situação, ainda não sei como resolve-la sem sofrimento para outros.

Desculpem o testamento. Mas as vossas palavras de amizade são muito importantes para mim. E acho que devo, dentro do que é possível num espaço público como este, dar uma explicação digna a quem o merece.

Gosto muito de estar aqui. Gosto mesmo muito da vossa companhia.
Abraço 3X sentidos


Avessos,
Obrigado pelo teu comentário. Confesso que ainda não li nenhum livro do Paulo Coelho. Mas, este texto que citei fez muito sentido para mim.
Abraço

jasmimdomeuquintal disse...

Pois é, os sonhos mortos são terríveis... Temos que lhes fazer o funeral, o ritual do adeus... fantasmas são cancros.

Socrates daSilva disse...

Jasmim,
Tens toda a razão. Por isso entendi tão bem o teu ultimo post!
Bjs