domingo, 11 de maio de 2008

Existe algum lugar

Quando isto começou,
Eu não sabia dizer nada
Fiquei perdido e vazio dentro de mim
(Eu estava confuso)
Esforcei-me para descobrir
Que afinal não sou o único

Com estas coisas na cabeça
(Dentro de mim)

Mas, todo o vazio das palavras
é a única coisa verdadeira que ainda sinto
(Não tenho nada a perder)
Simplesmente estou estagnado, vazio e solitário
E a culpa é minha?

Eu quero mudar, eu quero sentir
Aquilo que eu nunca achei que fosse real
Eu quero livrar-me da dor
que eu senti durante tanto tempo
(Apagar toda a dor até que se acabe)

Eu quero mudar, eu quero sentir
como se estivesse perto de algo real
Eu quero encontrar algo que sempre quis
Algum lugar onde eu pertença

Olhei para todo o lado a tentar encontra-lo
Não é essa a maneira que eu imaginei
(Então, o que eu sou?)
O que eu tenho além de pessimismo?

Eu nunca vou conhecer-me
até que faça isso por conta própria
E eu nunca vou sentir
nada mais enquanto as minhas feridas não estiverem curadas

Eu nunca vou ser nada até conseguir escapar de mim mesmo

Eu vou escapar
Eu vou me encontrar hoje


Não é nenhuma poesia erudita. Não é resultado da minha inspiração. É uma trafulhice que fiz á letra de uma música. “Somewhere I Belong” dos Linkin Park.

Já disse que gosto de os ouvir. Mas a letra desta música, numa visão muito pessoal, sempre teve uma aura um pouco visionária. Ter a sensação de estar num sítio errado e algures existir alguém, ou um grupo de pessoas com quem eu tivesse a sensação de pertencer. De poder ser quem eu era. Confesso que muitas vezes ao escutá-la era onde vagueavam os meus pensamentos. Onde estará o meu lugar? Onde estará com quem eu possa pensar em voz alta? Morrerei estúpido e emocionalmente só?

Desde há alguns dias esta letra tem um significado mais intenso. Comecei a sentir existir um lugar assim. Não na minha imaginação utópica. Começa a ser real. Começou neste ecrã de computador.

Foi a melhor maneira de dizer obrigado a todos os que se deram ao trabalho de deixar comentários no meu anterior post, a todos os que de outras maneiras me deram uma palavra de ânimo. Bem precisava… Pensava que aquele ia ser o meu último post!


Sim, eu sei…
Mereciam um melhor poema. Mas a intenção é que conta, e se estou á espera de encontrar o poema perfeito, com a minha cabeça a funcionar como uma picadora da Molinex, ia agradecer só daqui a um mês.

10 comentários:

pinguim disse...

Comentário um pouco "batido" mas que continua a fazer todo o sentido: a Amizade não se agradece, conquista-se!!!!!
Abração.

O Fugitivo disse...

Meu caro Sócrates dasilva

Já há muito tinha percebido a tua capacidade de escolher as palavras certas em cada momento.
Vou contigo aprendendo o sentido das palavras do poeta sevilhano Antonio Machado:
"Caminante no hay camino
se hace camino al andar"

Um abraço amigo

Daquele que agora se dá pelo nome de
Fugitivo

Socrates daSilva disse...

Pinguim,
Tens toda a razão. Mas, continuo a lembrar-me de sempre aplicar um dito dos meus pais: “Recorda sempre o que recebes e esquece o que fazes aos outros”.
Assim, que agradeço e recordarei…
Abração

Fugitivo,
Que simpático! A questão é que quem escreve muito ás vezes lá acerta.
:-)
Hoje aprendi contigo algo sobre o verso que mencionas que eu tanto gosto. Eu conhecia-o do cantor espanhol Joan Manuel Serrat, que muito gosto de escutar. Pensava que era dele a poesia. Afinal é do poeta António Machado. Vês como aprendemos uns com os outros?
Um grande abraço meu amigo

Catatau disse...

Um torvelinho de emoções saboroso, não é Sócrates?
Gostei do que "fizeste" ao poema. Tiraste os sapatos e deitaste-os ao lago. Tens agora os pés na água fresca. Aproveita e caminha mais liberto: chapinha connosco. :)

Ó Fugitivo, mira hombre, bienvenido! :)

Tong Zhi disse...

Estou tramado com isto!!!
Vou ao pinguim, tem uma poema que diz ser "fraquinho".
Chego aqui tem um poema que diz ser "martelado".
O fugitivo também dá um "pezinho" de poesia.
E eu?
Só tenho jeito para números!!!
:(
Alguém me ensina a fazer poemas com raízes quadradas????
eh eh eh
Abrações, abrações!

PS. só o Catatau se salvou!!!

Special K disse...

a tua trafulhice está muito bem feita. É sempre bom saber que não somos os únicos numa dada situação, dá uma certa sensação de alívio e segurança. Só desejo que consigas enontrar o teu caminho e ficar em paz.
Um grande abraço.

com senso disse...

Uma boa ideia, que saiu muito bem:

"...E eu nunca vou sentir
nada mais enquanto as minhas feridas não estiverem curadas

Eu nunca vou ser nada até conseguir escapar de mim mesmo

Eu vou escapar
Eu vou me encontrar hoje"

Perdermo-nos e reencontrarmo-nos com os outros e connosco próprios faz parte da caminhada.

Uma caminhada de humanos, entre humanos...

sp disse...

Dizer: PRESENTE, será um sinal maior de estima??

Um abraço...

Maurice disse...

Olá Sócrates,

Se aquele tivesse sido mesmo o teu último post, então sim, aí é que teríamos um problemazito para resolver!! :)

Espero que encontres esse "lugar onde pertences". Creio que todos o procuramos... Talvez esteja mais perto do que crês. Não desistas de o encontrar.

Forte abraço

Socrates daSilva disse...

Catatau,
Essa imagem dos pés na água… deliciosa!
Obrigado pelo "convite"
:-)
Abraço grande

Tong zhi,
Estás lá tramado!
Não é a matemática também poesia?
Abraço grande

Special k,
Ás vezes o “crime” compensa, especialmente quando a imaginação anda preguiçosa.
:-)))
Obrigado pelo teu voto. Aprecio mesmo.
Um grande abraço para ti

Com senso,
Nem imaginas como esta letra mexeu comigo desde que a escutei a primeira vez. Pode a musica não ser ao gosto de alguns, mas estas palavras…
Abraço grande

Sp,
Claro que é um ENORME sinal de estima, meu amigo!
Estou muito grato por ele.
Abraço grande

Maurice,
Olha que eu não quero problemas com ninguém. Já tenho que cheguem…
:-)
Obrigado pela força. Estamos todo de certa maneira, no mesmo barco.
Abraço grande